A visualizar apenas posts colocados no ano de 2009

Quem lê este blog regularmente percebe que sou contra as alterações e efeitos sem sentido típicas da Web 2.0. Ora, desta vez, um site que uso regularmente decidiu fazer o mesmo à sua página inicial. Sim, estou a falar do Google!

Parece que já estou a ouvir uns certos indivíduos a bater palmas e a dizer “Finalmente o Google passou a ser Web 2.0”.

Motor de pesquisa Google

O efeito que decidiram utilizar foi esconder todo o conteúdo e deixar apenas a barra de pesquisa, sendo o restante conteúdo apresentando com um efeito de fade apenas quando o utilizador passa o rato nalgum ponto da página.

Será que alguém ficava distraído pelos links minimalistas e a cada ponta do ecrã, levando-os a pensar para que servia o Google? Será que a adopção de Google como verbo não é mais do que suficiente?

Em termos de usabilidade dá a sensação ao utilizador comum que o Google está lento e demora a carregar. Tão lento que após escrever google.pt na barra de endereços e começar a mexer no rato é que o site “carrega todo”.

É mais uma daquelas alterações Web 2.0 que usam mais código e não fazem nada de útil ou pioram um interface familiar e que funciona correctamente.

Tornar um site rápido e leve é simples, e deve ser sempre feito e todos os sites. Já aqui partilhei várias dicas sobre como o fazer, algumas são tão simples como adicionar meia dúzia de linhas ao ficheiro .htaccess usando alguns módulos do Apache.

Usar o mod_expires do Apache é mais uma dessas dicas.

Cache HTTP

O mod_expires indica ao browser do cliente qual a validade de determinado ficheiro, permitindo mantê-lo em cache sem fazer um novo pedido ao nosso servidor. Se pensarmos que uma imagem nunca muda, e que um ícone (favicon) ou um ficheiro css e js raramente são alterados podemos reduzir vários pedidos do browser ao servidor tornando o acesso mais rápido e reduzindo o tráfego no servidor e na ligação do cliente.

O mod_expires permite indicar um tempo de cache igual para todos os documentos usando o ExpiresDefault, o que não recomendo. O ideal é usar o ExpiresByType que permite definir uma data de expiração consoante o tipo de ficheiro.

É ainda possível definir se queremos que a validade (em segundos) do ficheiro seja a contar a partir da data de acesso com o operador A ou se a validade é após a última data de modificação com o operador M.

A diferença é que com o primeiro operador, a cache de um utilizador que acedeu ao site na semana passada irá expirar primeiro que a cache de um utilizador de acabou de aceder ao site. Com o segundo operador todos os caches irão expirar ao mesmo tempo, pois será a data de criação do ficheiro que irá contar. Este operador poderá ser útil para colocar em cache imagens que mudam semanalmente mas não mudam de nome ou páginas HTML que são alteradas diariamente.

1
2
3
4
5
6
7
ExpiresActive On
ExpiresByType text/html M86400
ExpiresByType text/css A2592000
ExpiresByType text/javascript A2592000
ExpiresByType image/png A31104000
ExpiresByType image/jpeg A31104000
ExpiresByType image/x-icon A31104000

No exemplo em cima activamos o mod_expires na primeira linha e indicamos que os ficheiros html devem manter a sua validade até 24 horas depois de serem criados com o operador M. Isso quer dizer que um ficheiro criado a 1 de Dezembro às 14:00 se for acedido a 2 de Dezembro às 13:00 apenas ficará guardado durante 1 hora na cache do cliente.

No entanto o mesmo acesso irá manter os ficheiros css e js em cache até dia 1 de Janeiro às 14:00, independentemente da data de última modificação graças ao operador A.

Os ficheiros png, jpg e ico irão expirar um ano após o acesso pelo cliente, como indica o tempo em segundos. Para referência, 3600 segundos equivalem a 1 hora.

Existem várias possibilidades que podem ser adaptadas ao site em questão e melhorar o seu desempenho. Podem confirmar se o mod_expires está a funcionar correctamente com a ferramenta HTTP Headers.

Quando comecei a Sprint Total em Setembro de 1999 nunca pensei que pudesse ter tantas visitas e interesse naquele que foi o meu primeiro site. Fiz grandes amizades, travei bons conhecimentos e acima de tudo evoluí em vários aspectos. Foi com a Sprint Total que me iniciei, tanto com o HTML e o design como com o PHP e MySQL.

Hoje foi o dia de encerrar oficialmente o site.

Honda NSX fotografado por Easton Chang

Na realidade o site já estava encerrado, no final de 2005 decidi mudar o rumo ao site e deixar a versão actual da Sprint Total online sem actualizações. Iria começar os esboços daquela que viria a ser a 10ª versão do site, algo mais virado para uma magazine online com ênfase na qualidade dos conteúdos e não na quantidade.

Naquela altura o tuning em Portugal já se encontrava debilitado, alguns jovens entraram no mundo do tuning e viraram-se para as corridas ilegais (street racing). Começaram as picardias entre clubes e adeptos, perdeu-se o espírito de entre-ajuda e camaradagem e o tuning entrou em decadência. Depois vieram os media, exploraram o assunto até à exaustão e a partir daqui quem tinha um carro modificado era um marginal e começou a caça ao tuning com carros que nunca tinham entrado em corridas apreendidos. Pagou o justo pelo pecador.

Apesar dos vários esforços de clubes, associações e sites, Sprint Total incluída, pouco mudou no panorama do tuning em Portugal. Eu acabei por me fartar não só do panorama nacional do tuning como do tuning em geral.

Aproveitei para efectuar algumas pesquisas e verifiquei que várias empresas que eram autênticas entidades do tuning fecharam portas, clubes que acabaram por encerrar e algumas publicações também terminaram. E foi aqui que fiquei estupefacto.

A Maxi Tuning, do grupo Motorpress, vai encerrar, assim como outras revistas do grupo, e vários jornalistas foram despedidos. Um sinal da crise, é certo, mas a Maxi Tuning que começou os dias como Tuning & Car Audio como complemento penso que a uma revista ou jornal (já não me recordo) era a cara do tuning em Portugal. O seu encerramento só vem enfraquecer cada vez mais o panorama nacional, se é que ele ainda existe de alguma forma.

Quem semeia ventos colhe tempestades, e é bom que aqueles que contribuíram para o estado actual do tuning não se esqueçam das consequências dos seus actos. Foram responsáveis pela ruína de uma industria que movimentava muito dinheiro e dava emprego a várias famílias.

Os que tudo fizeram para manter o tuning não serão esquecidos, alguns até continuam activos e com sucesso, outros decidiram olhar além fronteiras e isolar-se da palavra tuning.

Para mim acabou.

Não existe nenhuma receita mágica que garante que um blog ou um site tenham sucesso na Internet. Existem demasiadas variáveis em jogo, no entanto apenas uma garante o insucesso certo de um blog ou site: o gosto ou a paixão pelo que se escreve.

Maybach no Dubai

O meu primeiro site foi sobre carros e tuning. Se na altura ainda nem percebia muito daquilo, fazia o site com gosto e sentia-me motivado a trabalhar nele. Era um site que tinha uma “personalidade”, destacava-se dos restantes. Entretanto fartei-me do tuning e deixei o site morrer porque já não me sentia motivado para continuar a fazer artigos. É certo que o site continua com visitas e com rendimento, mas não é a mesma coisa.

Quando tenho uma ideia para um site novo tenho que o fazer sobre um assunto em que tenha pelo menos conhecimentos, mas também tenho de gostar do tema caso contrário o site vai acabar por cair no esquecimento.

Se fizer um site sobre flores e jardins já sei que vai ser um fracasso. Não percebo nada de flores ou jardins, não sei o que querem ler as pessoas interessadas no tema e só me posso limitar a colocar umas fotografias que ache engraçadas e dizer que são fotografias engraçadas. Até eu, que não percebo nada de flores e jardins, sei que iria ser um site sem interesse.

Portanto para fazer um site de sucesso é necessário que exista gosto pelo tema, para garantir que pelo menos, mesmo que o site continue sem visitas nos primeiros tempos, vamos continuar motivados para ir actualizando e adicionando conteúdo ao site.

Mas nem sempre é assim. Vamos supor que vão fazer o vosso primeiro site na web e o vosso objectivo até é fazer dinheiro online e é algo em que têm interesse (quem não tem? ;)). Existem vários blogs do género, o primeiro site que criaram foi sobre como fazer dinheiro online, mas nunca o fizeram na vida portanto não têm credibilidade. Não é a mesma coisa que eu ou o Rui Augusto fazermos um site do género, pois já temos projectos de grande dimensão e com resultados interessantes.

Ninguém vai ler mais um site sobre o mesmo que não trás nada de novo, é necessário existir um factor diferenciador, um toque de personalidade que garanta o possível sucesso de um site. Isto só é possível se existir gosto pelo tema em que estamos a trabalhar.

Como bom petrolhead que sou, fanático por carros, adoro jogos de carros. No entanto só comecei realmente a gostar de jogos de carros quando comprei o primeiro Need for Speed para a Sega Saturn, porque era o único jogo que nos libertava da monotonia das pistas e permitia corridas de ponto a ponto.

Race Driver: GRID

E dos jogos de carros que mais joguei, ambos foram da saga Need for Speed. O primeiro foi o Porsche Unleashed que desinstalei e voltei a instalar algumas três vezes, e eu não gosto de Porsches! O segundo foi o Underground, que o vicio foi tanto que acabei o jogo em apenas dois dias.

Foram jogos que traziam algo de novo e nunca ficaram limitados apenas a pistas, eram mais reais por assim dizer.

Mas depois experimentei o Race Driver: GRID e tudo mudou. É um jogo com objectivos interessantes, várias modalidades de corrida e não cansa facilmente. Os gráficos também são interessantes e bem detalhados e é um ponto positivo ir vendo as nossas estatísticas e ver o que melhoramos de época para época. É daqueles jogos que está sempre no Steam, pronto para jogar.

Talvez em 2010 o Test Drive Unlimited 2 tire o lugar do GRID, isto se o TDU2 for lançado. Até lá vou continuando a jogar Race Driver: GRID ;)

Ainda existe quem acredite que o PageRank é um sinal de sucesso online e que é este que rege quem aparece primeiro nas pesquisas do Google. Ainda existem quem pense que ter muitos seguidores no Twitter é um sinal de sucesso e que no futuro quem tiver mais seguidores será quem terá uma presença online mais forte.

A Internet veio criar egos gigantescos, alguns do tamanho da própria rede, mas quando confrontados com a frase show me the money será que existe algum?

Episódio do South Park sobre o Youtube

O PageRank morreu à muito tempo, sempre tive sites com PR1 e PR0 a aparecerem primeiro que alguns sites concorrentes com um PageRank superior em termos competitivos. No Google é que decidiram finalmente oficializar que o PageRank é apenas mais uma métrica e não a métrica pela qual se classificam as páginas nos SERP’s. No MaisTráfego está um post bem engraçado sobre o assunto.

O Twitter, bom, pelo que pude observar é um jogo do “tu segues-me a mim e eu sigo-te a ti”. Nunca gostei do Twitter, mas como este senhor me chateou bastante lá decidi colocar o Twitter no Mais Gasolina como complemento ao novo serviço de alertas dos preços dos combustíveis.

Até cheguei a ter um dos gurus do Twitter em Portugal a seguir a minha conta, mas como não o segui ele rapidamente cancelou a sua subscrição. Em termos percentuais existem mais clicks vindos do feed RSS dos alertas dos preços dos combustíveis do que do Twitter, portanto quem segue o feed está realmente interessado no preço dos combustíveis, que segue no Twitter está apenas a coleccionar cromos e a dizer aos amigos que tem uma colecção grande.

Estes egos gigantes de privados ou de empresas 2.0 prá frentex deviam dar uma vista de olhos num episódio já antigo do South Park onde gozam com os “famosos” do Youtube que têm milhões de visualizações e por isso têm direito a um cheque com “pseudo-dollars”. Para aqueles que não perceberam, podem ter muitas visitas e visualizações, mas não têm nenhum retorno monetário, apenas uma massagem ao ego.

O sucesso na Internet não se mede pelo PageRank, pelos seguidores do Twitter, e atrevo-me a dizer que nem pelas visitas de um site. Existe muito “anónimo” na web com os quais tive o prazer de trocar algumas impressões e estão a receber quantias consideráveis dos seus sites online, sem comunidades ou whoring nos social-media.

E agora vou-me preparar para o hate mail que vou receber, como tem sido costume ;)

Se tal como eu, vocês obtêm rendimentos vindos da publicidade online então sabem bem que o ano de 2009 é para esquecer. A recessão atingiu-nos a todos e os lucros do Google, MSN/Bing e Yahoo desceram 10% no primeiro semestre de 2009. Pela web existem vários relatos de quebras de receitas em publicidade, em alguns nichos de mercado as quebras chegaram aos 70%!

Lucros em publicidade

Eu próprio fui um dos afectados, um dos meus vários sites teve uma queda de 50%, e sendo este site responsável por um quarto dos meus rendimentos (não é o Mais Gasolina ;) ) tive que mudar de estratégia. Como não ganhei o Totoloto não tenho direito a RSI (via CM), então tive que arranjar um emprego, e após 3 anos e meio a viver confortavelmente dos rendimentos do Adsense e a desenvolver projectos voltei ao mercado do trabalho em 2009.

No entanto, segundo o TechCrunch os resultados do Google estão novamente a subir, principalmente graças à publicidade na pesquisa do motor de busca. Nesse mesmo artigo perguntam se o display advertising irá recuperar, e em alguns sites estou a ver uma subida de 5%, enquanto que noutros alguns dos anunciantes voltaram com novas campanhas após terem abandonado o Adwords tanto para sites como para anúncios da pesquisa do Google.

Se a tendência se mantiver, especialmente agora que estamos a entrar na época natalícia, pode ser que exista alguma recuperação do mercado publicitário na web. Com a Europa a sair da recessão e a economia a mostrar sinais de recuperação tudo aponta nesse sentido, mas só o tempo o dirá se tudo voltará à normalidade.

E agora que os lucros estão novamente a subir, será que vou abandonar o meu actual emprego? Obviamente que não, deixei-me de grandes projectos (a Sprint Total e o Mais Gasolina deram trabalho que chegue) portanto iria ficar com muito tempo livre. Encontro-me numa empresa séria com um excelente ambiente e a fazer algo que gosto, e os rendimentos extra são sempre bem vindos ;)

 
Copyright © 1985 - 2017 Eduardo Maio. Alguns direitos reservados.
eduardomaio.net - Às vezes mais valia ser Agricultor do que Programador
Ao navegar no blog eduardomaio.net está a concordar com os termos legais e de privacidade.