A visualizar apenas posts da categoria Silent Life Project

Ontem recebi o Zalman ZM-MFC2 mas só hoje tive oportunidade de o montar e testar devidamente, partilhando os meus resultados aqui.

A unidade tem muito bom aspecto e a construção é bastante sólida, muito superior ao Aerogate II que tinha onde os botões tinham uma folga enorme e as letras já tinham desaparecido por causa do uso.

Numa review no SPCR disseram que este controlador explorava acima de tudo o factor “bling”, mas tenho que discordar. O seu design é sóbrio e fica bem em caixas com design simples sem grandes alterações nem luzinhas a piscar por todos os lados. Tem sim bom aspecto, e tendo em conta a maioria dos controladores que existem no mercado isto é um ponto a favor, principalmente comparando com as árvores de Natal que são os controladores da Aerocool!

Algo que aprecio bastante no MFC2 é a sua ausência de ruído ao ligar, ao contrário do Aerogate II que emitia dois beeps bem altos e irritantes.

Um ponto contra em termos de usabilidade é a necessidade de carregar em Mode para poder controlar a velocidade de uma ventoinha em vez de se rodar apenas o botão principal e controlar o último canal seleccionado, mas como raramente controlo a velocidade das ventoinhas não é algo que a longo prazo me chateie, pelo menos espero eu. Já no Aerogate tinha que o fazer várias vezes porque este não se “lembrava” da rotação exacta a que as ventoinhas deveriam rodar.

Outro ponto contra é a sua visibilidade. Do local onde me encontro consigo ler tudo rapidamente, menos a primeira temperatura uma vez que o primeiro digito não fica totalmente visivel e tenho que inclinar ligeiramente a cabeça. Para quem tem a torre noutras localizações (no chão por exemplo) deve ser dificil ler o seu display.

Na minha opinião o Zalman poderia trazer mais algumas extensões de 3pin-3pin, como tenho algumas não me fazem falta, mas são essenciais para uma boa arrumação dos cabos. Já a favor, o cabo que permite ligar duas ventoinhas indicando a velocidade de uma destas, perfeito para quem tem mais do que uma ventoinha à mesma velocidade a fazer intake ou outtake ou até num radiador.

No geral é um óptimo produto, o indicador de consumo sobe e desce de forma eficaz, permite uma regulação entre os 4v e os 11v o que me ajudou a reduzir a quantidade de cabos no computador, pois ainda usava uns redutores de voltagem da Akasa nos canais do Aerogate para conseguir baixas rotações e ruído reduzido, e ainda a ausência de um alarme ao ligar a unidade.

Consumo eléctrico do Silent Life project

Após a instalação do MFC2 decidi fazer uns pequenos testes para saber qual o consumo da minha máquina. A ideia é ligar o CVS directamente ao meu UPS para saber o consumo real do sistema e não apenas do que é alimentado pela fonte de alimentação.

De qualquer forma liguei-o primeiro apenas à fonte de alimentação para comparação com outros dados de alguns testes noutros sites e fiquei satisfeito em saber que tinha um sistema <100w, consumindo 84w em idle.

Consumo eléctrico apenas dos componentes dentro da torre
Consumo eléctrico apenas dos componentes dentro da torre: 84w

Lá fiz a ligação directamente ao UPS, lendo assim o consumo eléctrico real do sistema com todas as perdas de energia pelo caminho. Assim consigo ler o consumo do computador em si, do monitor, bomba de água, modem/router e claro do próprio UPS que também consome alguma energia.

Consumo eléctrico real do sistema
Consumo eléctrico real do sistema: 114w

Um total de 114w em idle, não é <100w mas anda lá perto no entanto não deve descer mais do que isto. Achei no entanto estranha a diferença de 30w entre os valores uma vez que o meu monitor, um LG 1720B, tem um consumo anunciado de 33w, mas com o brilho reduzido que uso diáriamente consegui um consumo de apenas 21w, lendo o Zalman em idle com o monitor desligado um consumo de 93w, o que indica que a bomba de água, o UPS e o router/modem consomem teóricamente cerca de 9w.Continuei com os testes e decidi colocar o Test Drive Unlimited a correr uma vez que o Sims 2 (sim, eu ainda jogo Sims 2) corre quase sempre com a gráfica a 300MHz e pouco puxa pelo processador sendo a velocidade deste reduzida pelo EPU-6 Engine. A jogar Sims 2 com todas as opções ligadas e resolução de 1280×1024 o consumo eléctrico do sistema não passa dos 125w.

Então, com o Test Drive Unlimited tenho um consumo máximo de 145w, embora este valor baixe para os 140w a jogar normalmente. Tive que andar a fazer peões para que o efeito do fumo no ar aumentasse o consumo eléctrico. :lol: Já sei que fazer peões no TDU é mau para a conta da luz. :lol:

Consumo eléctrico a jogar TDU
Consumo eléctrico a jogar TDU: 145w

Depois corri o CPUBurn e o Prime95, tendo este último dado um valor energético mais alto, provavelmente por usar a ram mais intensivamente, e o valor foi de 130w.

Consumo eléctrico a correr Prime95
Consumo eléctrico a correr Prime95: 130w

E por fim uma foto do MFC2 devidamente instalado.

Zalman ZM-MFC2
O Zalman ZM-MFC2 instalado

Pessoalmente estou satisfeito com os resultados, se abrir alguns programas o consumo varia, mas com o Opera e o Winamp aberto (uso normal do computador) o consumo não passa dos 114w. A ver um video a 720p o consumo sobe ligeiramente para os 117w, outros videos com resoluções mais baixas o consumo oscila entre os 115w e os 116w.

É um brinquedo giro e, com o uso devido, pode ser bastante útil para perceber o consumo energético do computador e reduzir o mesmo.

Pensei em trocar a minha Chieftec por uma Antec P182, ela tem um design elegante, o tamanho é semelhante ao da Chieftec e permite usar várias ventoinhas de 120mm.

Experimentei primeiro a Chieftec sem a lateral em acrílico e não gostei do efeito ficando um ambiente pesado na secretária. Procurei então uma lateral com acrilico para a P182 e não encontrei nada, só para a P180 e o seu valor mais a caixa é proibitivo (acima dos 250 Euros). Decidi assim que vou manter a Chieftec que ainda serve bem o seu propósito e está em óptimas condições.

Aproveitei o facto de ter a caixa novamente aberta e decidi alterar o local onde passa o cabo sata que liga ao disco assim como os cabos usb internos para o leitor de cartões da Revoltec.

Infelizmente um dos problemas do watercooling é que não podemos desmontar os componentes sempre que nos bem apetece, levando a tirar toda a água do circuito, montar tudo novamente e encher o circuito. Assim tive que passar cuidadosamente os cabos por detrás da motherboard sem a desmontar.

Cabos arrumados por detrás da motherboard
Cabos arrumados por detrás da motherboard para melhorar o airflow

Com esta pequena alteração, além de estecticamente ficar mais agradável, reduzi a quantidade de cabos que passam em frente à ventoinha de intake melhorando o airflow.

Infelizmente só me apercebi que não tinha fotografias do antes para comparação quando vi as fotografias disponíveis no blog, o que é pena.

Ao olhar para o interior do computador e ao ver aquele contraste entre o cobre e o preto pensei que ficava bem uma iluminação branca suave apenas para criar um ambiente diferente ao olhar para a caixa.

Tinha aqui 3 LEDs brancos de baixo consumo que funcionam a 6v que foram fornecidos como amostra, de uma empresa que os fabrica para simular as estrelas nos palcos dos espectáculos (essencialmente música clássica, opera). Dois deles já tinham sido usados durante algum tempo na parte da frente do projecto Cold Machine e um terceiro estava ainda por usar.

Toca de ligar o ferro de soldar, a manga termorectrácil, fio e fazer o que de mais mal faço na minha vida: Soldar cabos!

Leds com cabos soldados
Os leds com fios respectivamente soldados

Até aqui tudo bem, as coisas até nem correram mal, escolhi mais ou menos os pontos de iluminação para obter o efeito desejado mas cometi um erro grave, usei sempre o mesmo led, o que iria ficar na lateral da caixa a apontar para o processador.

Depois de tudo montado verifico que em dois leds a sua intensidade era extremamente reduzida, noutro a luz era forte demais. Verifiquei ligações e cheguei à conclusão que os leds com a intensidade fraca tinham sido os usados anteriormente o que demonstra que estes têm uma durabilidade reduzida.

Irei procurar outros leds, não irei optar por um neon branco (que tenho aqui) porque a luz é demasiado intensa e eu quero uma iluminação suave e discreta. De qualquer forma aqui ficam duas fotografias para terem uma ideia do resultado nada satisfatório.

Iluminação Silent Life project
Os leds no topo e fundo da caixa quase que não têm impacto na iluminação da caixa

 

Iluminação Silent Life project
Close-up à iluminação do bloco do processador demasiado forte

Já ando a estudar alternativas que permitam um controlo eficaz da iluminação com leds mais compactos e com um consumo energético mais baixo, mas esta fase do projecto não é prioritária.

E agora em tom de off-topic, mas já que falo em iluminação, a máquina está de tal forma silenciosa que comecei a ouvir um zumbido vindo do balastro de uma lâmpada flourescente que tenho no quarto. A solução foi apagar a luz e ligar outra mais pequena também economizadora, cá em casa as lâmpadas normais já foram todas substituídas por económicas. Agora tenho que calar aquele balastro ;)

Como tinha dito anteriormente fiz um video do computador para poderem ter uma ideia do silêncio. A máquina usada foi uma Canon S5 IS e o microfone desta encontrava-se a 10cm da lateral do computador. O volume do microfone foi colocado no máximo e o filtro de vento foi desligado.

Durante a gravação fiz algum barulho para que possam ter uma ideia do volume do microfone que gravou até o ruído do mecanismo da lente durante o autofocus.

Sei que o video não está grande coisa e não percebo porque é que no Youtube o volume aumenta quando faço os clicks no rato uma vez que isso não acontece no video original, mas espero que dê para terem uma ideia que a máquina está praticamente inaudível.

Sempre usei o Setpoint da Logitech com o diNovo Media Desktop Laser e apesar de já ter tido alguns problemas actualmente o software estava a correr lindamente. Com o novo projecto veio um format e uma instalação nova do Windows XP que consome menos energia, e faz mais que o Vista para o uso que lhe dou porque os drivers da Creative são uma desgraça no EAX e na equalização.

Ao instalar o Setpoint todos os periféricos (teclado, rato e mediapad) deixavam de funcionar e no Device Manager encontrava o seguinte erro: Windows cannot initialize the device driver for this hardware. (Code 37)

Após muito pesquisar cheguei a este tópico no fórum da Logitech com uma solução para o problema.

Portanto é desinstalar o Setpoint, ir até %SystemRoot%\system32\drivers e alterar o nome do ficheiro wdf01000.sys (ou wdf01***) para outra coisa como wdf01000.sys.crap por exemplo.

Depois efectua-se um restart na máquina e entra-se na linha de comandos e escreve-se o seguinte:
– set DEVMGR_SHOW_NONPRESENT_DEVICES = 1
– start DEVMGMT.MSC

Vai-se a View > Show Hidden Devices e depois é só começar a apagar o hardware inactivo (Bluetooth HID Device e coisas do género), fecha-se o Device Manager e instala-se o Setpoint. Os periféricos devem ficar funcionais, no meu caso ficaram.

Agora já posso controlar o velhinho Winamp 3 devidamente equalizado com o teclado, é que o comando da Creative não dá jeito a meio de um jogo para mudar de música.

Após vários testes, instalar programas, correr benchs e tudo mais lá tirei um tempinho para tirar algumas fotos ao projecto devidamente montado.

Silent Life Project
Uma vista “geral” dos componentes instalados

 

AquaComputer Cuplex Pro
Um close-up ao bloco do CPU, um AquaComputer Cuplex Pro

 

EK FC 3870 Acetal
O EK FC 3870 Acetal na Asus EAH3870

 

OCZ Reaper
As OCZ Reaper com os seus dissipadores fora do vulgar

 

Temperatura no Aerogate II
Temperatura do processador e velocidade da fan de intake

 

Radiador Airplex Evo 360
Radiador no exterior com ventoinhas em baixo, a temperatura ambiente no quarto é a indicada no visor

 

Ventoinhas do radiador
As duas ventoinhas de 80mm que arrefecem o radiador

Nas fotografias acima podem ver que as ventoinhas estão debaixo do radiador, ou seja, no sitio errado. Encontrei aquele local para poder colocar no topo do radiador uma Dodge Ram à escala como podem ver nas fotografias do projecto Cold Machine e assim ficaram também para este projecto.

Como no Inverno até as costumo ter desligadas e o radiador fica em modo passivo não efectuei grandes alterações a este sistema. Mas como agora também estou a arrefecer a placa gráfica com recurso ao sistema de water cooling irei arranjar uma nova solução para arrefecer o radiador se assim for necessário. ;)

Innovatek Tank-O-Matic
O grande Innovatek Tank-O-Matic na traseira da caixa

 

Kenny do South Park
Por fim o Kenny com um amigo novo. Sim, estou a correr XP

Fiquei bastante contente com o resultado até agora, e o tubo preto nem ficou mal, até vai de acordo com os dissipadores nas memórias e o bloco da gráfica, faz um contraste giro entre o cobre e o preto.

O computador está extremamente silencioso e bastante fresco tendo em conta que a temperatura ambiente no meu quarto não é nada baixa! Com temperaturas ambiente inferiores o Prescott 2.8GHz sem overclock e só a arrefecer o chipset no mesmo circuito rondava os 40º em idle contra os 33º do E7200.

Vou tentar fazer um video com um processador/gravador de som à frente para que possam ter uma ideia do quanto silencioso está o computador.

A Asus tem um sistema chamado EPU (Energy Processing Unit) que ajuda a reduzir o consumo, ruído e temperatura do computador. Basicamente é um sistema que faz downclock a algum hardware, desactiva algumas funções desnecessárias e reduz a velocidade das ventoinhas. Em relação ao disco não percebi bem como funciona porque não é alimentado directamente pela motherboard.

O software chama-se EPU-6 porque controla 6 tipos de hardware: CPU, VGA, Chipset, Memory, HDD e Fan.

Dos 6 componentes que o programa controla não estou a usar 2, o das ventoinhas (obviamente) e o da placa gráfica. Porquê? ;) Bom, para que o EPU-6 Engine controle a gráfica preciso de instalar os drivers da Asus que já estão desactualizados, depois é necessário instalar um programa Asus OSD Gamer e finalmente outro programa, o Asus SmartDoctor. Mas mesmo assim experimentei o sistema e, embora exista uma diminuição na velocidade da memória da gráfica o GPU fica a funcionar a 600Mhz em vez dos 777Mhz de origem. Ao instalar os drivers da Ati com o CCC este automáticamente reduz a velocidade do GPU para 300Mhz mas não mexe nas memórias da gráfica.

Resultado: Menos consumo de energia, menos calor dissipado, mais performance em jogos.

Chip EPU na Asus P5Q Pro
O pequeno chip EPU na Asus P5Q Pro

Posto isto é só testar o software, e encontrei algumas falhas e o sistema mostrou-se bastante instável ao alterar de velocidade. Uma pesquisa na net levou-me ao site da Asus com um update da bios que corrigia um problema com a voltagem aplicada a algumas memórias mais recentes, as OCZ incluídas.

O software é bastante leve, indica o valor consumido pelo processador em watts e ainda mostra a poupança energética teorica e em quanto é que as emissões de CO2 foram reduzidas.

Asus EPU-6 Engine
O EPU-6 Engine a correr em modo automático. Na imagem encontra-se no modo de poupança de energia.

Possui 4 etapas distintas que são indicadas por 4 icones, um boneco a pé, um carro, um avião e um foguetão para o máximo de performance. Após uma breve calibração o sistema funciona de forma automática analisando o uso do processador, gráfica e disco, assim como o lançamento de aplicações 3D (caso dos jogos). Assim, de forma automática, o software alterna entre os vários modos consoante a utilização do computador permitindo uma poupança energética considerável e uma redução na temperatura geral do sistema.

Só não percebo como é que não fizeram algo deste género mais cedo, pois à coisa de 5 anos atrás já existia mercado para uma solução deste género para os overclockers.

 
Copyright © 1985 - 2017 Eduardo Maio. Alguns direitos reservados.
eduardomaio.net - Às vezes mais valia ser Agricultor do que Programador
Ao navegar no blog eduardomaio.net está a concordar com os termos legais e de privacidade.