A visualizar apenas posts da categoria Sistemas Operativos

O primeiro artigo que escrevi sobre o Windows 10 teve uma recepção engraçada, até parecia que tinha escrito algo sobre a Apple. Recebi comentários de todos os tipos, alguns por email a roçar o insulto, mas a Internet é mesmo assim.

Posto isto, aqui fica a minha experiência com o Windows 10, 10 dias depois.

Upgrade para Windows 10

Para dar ao leitor algum background já mexi em Windows 3.1, 95, 98, 98 SE, 2000, XP, 7, 8, 8.1 e até em servidores com Windows Server 2003, 2008 e 2012. Acho que tirando o ME e o Vista, mexi regularmente com quase todas as versões do Windows.

Podemos agora passar à frente e falar um pouco da experiência que foi o upgrade do 7 para o 10.

A primeira situação que me deixou com problemas de funcionamento do sistema operativo foi a falta de acesso à pasta C:\Windows\Temp. Esta situação ficou resolvida com uma instalação de raiz, mas esta instalação trouxe outros problemas.

A informação que foi passada pela Microsoft e repetida em vários sites é que a identificação da Motherboard iria ficar associada à chave do Windows 10. Ou seja, podíamos fazer uma instalação de raiz que o sistema operativo iria ficar activo sem problemas. Não foi o caso, e após várias pesquisas e ao ler o relato de vários utilizadores com o mesmo problema chegou-se à conclusão que a única forma de garantir a activação é fazer o “upgrade” a partir do 7 mas escolhendo a opção para não manter qualquer aplicação ou ficheiro pessoal. Assim a instalação é nova, aparte da pasta Windows.old e algumas pastas que possam estar no volume C.

O bloatware também tem solução com alguns comandos no PowerShell. O Thomas compilou os vários comandos para remover as aplicações adicionais do Windows 10. De acordo com alguns relatos a aplicação da Xbox estava a causar algumas dificuldades com alguns jogos.

Em termos de performance estou bastante satisfeito. Ainda existem situações estranhas, actualizações do Windows que por vezes falham, a janela de definições deixa de responder, problemas no acesso a redes Wi-Fi que não fazem broadcast do SSID (mas isto podem ser drivers).

Mantenho o meu veredicto. Se precisam do computador para trabalhar aguardem mais um mês ou dois para que estas nuances vão sendo corrigidas. Se gostam de experimentar o último grito da tecnologia e têm horas suficientes para perder na instalação e configuração do Windows, força com a actualização.

A julgar pela quantidade de artigos que se lêem pela net fora o Windows 10 é o melhor sistema operativo do mundo. Curioso decidi experimentar e aparenta ser melhor que o 8, mas não é assim tão bom.

Windows 10

Antes de mais devo dizer que a minha base de comparação vem do Windows 7, apenas usei o 8 para testes e o 8.1 actualmente em trabalho. Se compararmos o Windows 10 com o 8.1 realmente sim, é fantástico. Se o compararmos com o 7 deixa algumas coisas a desejar.

A instalação

Decidi testar o Windows 10 no Acer Ferrari One uma vez que a única utilidade que tem de momento é de ferramenta de diagnóstico para ligar ao carro. Como em caso de insatisfação existem 30 dias para voltar ao Windows 7, e se o rollback correr mal posso-o reinstalar de raiz pois existem poucos programas a instalar.

O processo foi demorado, foi feito o upgrade mesmo para testar como se portava e apesar das aplicações terem sido copiadas sem grande problema, alguns drivers não funcionam correctamente e o meu browser pré-definido passou a ser o Edge em vez do Firefox, assim como a aplicação para ver imagens, usando eu o XnView.

Para colocar o Firefox como pré-definido tive que aceder a uma espécie de painel de controlo onde tive que manualmente mudar o browser de Edge para Firefox. O CEO da Mozilla já se queixou do mesmo e com razão.

Após ter acesso ao Windows 10 o sistema estava bastante lento. Lá abri o Task Manager e verifiquei vários processos a consumir o CPU a 100%, na realidade a instalação não estava acabada, estavam a ser instalados aplicativos adicionais.

O Windows 10 trás bloatware

Uma das aplicações que estava a ser instalada era o Acer Explorer. Pensei eu, fantástico, deve ser a nova aplicação da Acer para a actualização de drivers, como existia com o Windows 7. Enganei-me, é uma aplicação para instalar jogos e outras aplicações da treta. Lá fui desinstalar e encontrei outras aplicações que não me lembro de ter pedido: Twitter, Skype, OneNote, Office…

Na realidade alguns são apenas atalhos para a loja ou outros sites para descarregar as aplicações. Ainda assim, sendo um upgrade dispensava. Outras “aplicações” para os mapas, Xbox e o próprio OneNote não podem ser desinstaladas.

Os problemas

Infelizmente tudo o que são ecrãs de configuração parece que foram feitos para dispositivos com o ecrã na vertical, ou seja, telemóveis. Não é usado todo o espaço do ecrã para apresentar itens. Felizmente descobri mais tarde que basta escrever control que passo a ter o painel de controlo antigo, utilizável num computador normal, sem ser preciso um tablet ou ecrã touch.

Isto levou-me à situação mais parva de todas, para tentar instalar um idioma e passar o Windows 10 para inglês, como permite no Windows 8, tinha que usar a barra de scroll vertical que é estupidamente fininha. Pensei, já que não existe pesquisa vou clicar num item ao calhas e depois carrego em I e devo ficar mais perto do inglês. Não foi este o comportamento e lá começou o Windows alegremente a instalar o Catalão. O pior de tudo, depois de conseguir instalar o pacote de línguas de inglês, não posso mudar a língua de apresentação do sistema operativo. Foi preciso reiniciar e voltar a aceder e reinstalar o pacote de idiomas para finalmente ter o Windows em inglês. Foi ainda preciso fazer mais alterações para ter também a entrada no Windows em inglês. Nada intuitivo.

Para evitar voltar a clicar em coisas sem querer decidi tentar instalar um driver mais recente da Synaptics. Abro o Firefox, começo o download, o WinRAR abre e começa a dar erros de permissões. Pensei que fosse algum problema da configuração do WinRAR e tentei aceder à pasta directamente, neste caso C:\Windows\Temp. Sou avisado que não tenho permissões e devo aceder ao separador Segurança para ter permissões. Coloco o meu utilizador com permissões e é-me devolvido um erro que não tenho permissões. Tentei fazer o mesmo, abrindo o Explorer como administrador, mas o resultado foi o mesmo. Curiosamente abrindo o WinRAR como administrador foi possível aceder ao ficheiro que o Firefox conseguiu gravar sem problemas e descompactar para outra pasta.

Alguns destes problemas penso que possam estar relacionados com ter feito upgrade directamente do 7, foi a primeira vez que actualizei para uma versão mais recente do Windows desta forma, mas pelo que percebi é a única maneira de ter a licença gratuita do Windows 10, depois então sim pode ser feita uma instalação de raiz, algo que estou a pensar fazer.

O menu iniciar

O tão afamado menu iniciar está de volta, ou será que está mesmo? Pois é, continuamos com o mesmo aspecto do Metro que existe no Windows 8, a única diferença é que não ocupa todo o ecrã. Não é possível escolher os programas que queremos que apareçam do lado esquerdo do menu iniciar, algo que era possível antes de ter saído a versão final do Windows 10.

Ou seja, ou escolhemos uma das opções da treta como os programas mais usados ou se quisermos uma lista fixa temos que usar o lado direito do menu iniciar, na área dos Live Tiles. Espero que isto venha a ser alterado.

A privacidade

O Windows 10 quase que parece o Google. Quer saber tudo sobre nós, desde a localização às pesquisas efectuadas. Felizmente é possível desligar muita coisa, mas fica sempre aquela dúvida sobre o que continua a ser enviado. No caso do Windows 7 não existia tanto esta situação, e como não tenho licença da Agnitum para o portátil não consigo bloquear estes pedidos e verificar que informação está a sair.

Ao menos a performance melhorou

O meu netbook não é nenhuma máquina infernal, o processador AMD tem dois cores a 1.2GHz, 3GB de Ram e uma ATI Mobility Radeon HD 3200. No entanto para a utilização que lhe dava chegava bem. Com o Windows 10 o netbook ficou muito mais rápido a ligar, imagino como será a performance com um SSD. A própria utilização do Windows é mais rápida, mas também não tenho o Aero Glass que tinha activo no Windows 7 e isso pode ajudar.

Veredicto

Tinha expectativas bastante elevadas para o Windows 10 e fiquei decepcionado. Vou dar mais uma oportunidade e continuar a testar e ver como as coisas evoluem. Possivelmente daqui a uma ou duas semanas sou capaz de refazer a instalação de raiz, e aí talvez as coisas funcionem um pouco melhor.

É sem dúvida uma boa melhoria relativamente ao Windows 8, não tanto ao Windows 7 (apenas em performance). Pessoalmente sugiro aguardar, e se quiserem testar usem um computador que não tenha grande utilidade como eu fiz, ou tentem a instalação numa máquina virtual.

Para utilizar a nível profissional ou no dia a dia ainda não me convence, várias opções de configuração foram removidas ou colocadas em locais pouco intuitivos, o menu iniciar é uma treta e o aspecto cinzento do painel de controlo é deprimente.

Aproveitei este feriado para testar o Windows 8, afinal mais de 4 milhões já efectuaram o upgrade e, apesar de algumas opiniões negativas, estava com uma expectativa positiva sobre este novo sistema operativo.

Afinal estava enganado.

Windows 7 vs Windows 8

O Windows 8 poderia na realidade ser apenas uma aplicação que adiciona um programa chamado Metro e remove algumas funcionalidades do Windows. Uma destas funcionalidades que foi removida foi algo a que a Microsoft nos habituou nos últimos 17 anos e nos formatou a usar: o menu Iniciar.

Nem tudo é negativo, e dependendo do uso que se dá ao computador o Windows 8 até pode ser interessante, mas para mim não serve.

O menu Iniciar

Com o Windows 8 o interface Metro passa a ser o menu Iniciar. Podemos adicionar lá as nossas aplicações mais usadas, mas alterar entre o Desktop e um interface completamente diferente quando bastava um clique no canto inferior esquerdo do ecrã não me convence. Principalmente porque se quiser aceder a todas as minhas aplicações tenho que fazer clique com o botão esquerdo do rato e clicar em All Apps.

Pior ainda é deixar de existir uma barra de pesquisa que é bastante útil no Windows 7 e me permite pesquisar por um programa rapidamente.

Desligar o computador

Desligar ou reiniciar o computador passou a ser uma maratona. Com o Windows 7 bastam 2 cliques, com o Windows 8 é preciso colocar o rato no lado direito do ecrã, aguardar que apareçam as opções e fazer mais 3 cliques. É preciso aceder a um menu de definições para conseguir desligar o computador.

Aero Glass

O aspecto do Windows 8 é horrível. A linguagem de design Metro é interessante, o novo site da Microsoft está muito bom e a ideia para o Metro funciona bem. Mas ao usar o computador normalmente, não ter o Aero Glass faz-me sentir que estou de volta ao Windows XP ou com um computador muito fraquinho no Windows 7.

Aplicações?

As aplicações na loja do Windows 8 são poucas e as que existem não passam de um browser fullscreen com algumas opções adicionais para aceder a sites que já existem. A aplicação do Google por exemplo não coloca nenhuma barra de pesquisa que permita um input directo do interface do Metro. Em vez disso abre uma aplicação que demora tanto a carregar como se abrisse o Internet Explorer e mostra a página inicial do Google.

Na realidade as aplicações do Windows fazem-me lembrar o Speed Dial do Opera, onde temos uma lista de sites favoritos e nos são apresentadas as novidades desses sites de imediato ao abrir o browser.

Nem tudo é negativo

A interface do Metro permite aceder rapidamente a emails e ao calendário por exemplo. Coloquei o meu email do GMail e rapidamente tive acesso a estas informações. Para quem tem um computador apenas para aceder às redes sociais e ver o email então o Windows 8 é um bom upgrade, mas para quê ter um desktop? Que tal um telemóvel ou tablet?

Para quem continua a usar o computador para trabalhar então o Windows 8 não é uma boa aposta. Pensei que com o 8 a Microsoft fosse quebrar a linha de um sistema operativo bom seguido de um mau, mas infelizmente parece que o Windows 8 é o novo Vista.

O Windows 7 é óptimo a gerir recursos, e é cada vez mais difícil deixar um PC com Windows 7 lento se só usarmos aplicações de qualidade.

Limpeza de disco do Windows 7

O Windows 7 é um bom sistema operativo, foi um grande salto do XP e mesmo do Vista. No entanto o nosso computador nem sempre está rápido, mesmo com a optimização de recursos do Windows 7. O problema são as várias aplicações que se infiltram no sistema e deixam lixo para trás, actualizadores que iniciam com o sistema operativo sem necessidade para tal, e claro o spyware.

Já partilhei uma lista com as 7 aplicações essenciais para Windows 7 e irei usar aqui essas aplicações para ajudar a deixar o vosso computador com Windows 7 mais rápido. Basta seguirem estes passos:

Revo Uninstaller

Quando usava o XP tinha sempre problemas com lixo que ficava para trás de aplicações que tinham sido removidas. Desde que passei a usar o Revo Uninstaller deixei de ter lixo vindo de aplicações que acabo por desinstalar.

Este programa permite remover entradas no registo do Windows e ficheiros temporários que a aplicação não remove quando se desinstala. Funciona de forma automática mas permite rever todas as entradas e ficheiros que são removidos. Outra ferramenta interessante é o Autorun Manager que permite remover de forma simples as aplicações que iniciam automaticamente com o Windows.

Podem descarregar a aplicação no site da Revo. Na página de downloads encontra-se a versão gratuita.

CCleaner

Depois de removermos as aplicações que não queremos de forma efectiva e evitar o seu arranque com o sistema, o próximo passo é limpar os ficheiros temporários do disco. O CCleaner (Crap Cleaner) é bastante leve e óptimo nesta situação.

Limpa não só ficheiros deixados para trás pelo Windows como ficheiros deixados por outras aplicações. Permite ainda remover entradas obsoletas no registo do Windows e até remover pontos de restauro antigos do sistema que ficam a ocupar espaço em disco. Também é possível, tal como no Revo, remover aplicações que iniciam automaticamente com o sistema e extensões que arrancam com o Internet Explorer (se ainda usam este browser, claro).

O CCleaner pode ser descarregado directamente do FileHippo.

Disk Cleanup

O próprio Windows trás uma ferramenta de limpeza do disco, o Disk Cleanup (ou Limpeza de Disco). É possível remover ficheiros temporários, limpar pontos de restauro e é um bom complemento para correr após o CCleaner. Basta escrever Disk Cleanup ou Limpeza de Disco no menu Iniciar e correr a aplicação.

Auslogics Disk Defrag

Um disco desfragmentado é sempre mais rápido. Se não possuem um computador com discos SSD então a desfragmentação de disco é essencial. Depois de efectuarem os processos de limpeza o melhor é desfragmentar e optimizar o disco, movendo os ficheiros de sistema para o inicio do mesmo.

O inicio do disco tem tempos de acesso mais rápidos, pelo que o vosso Windows beneficiará nesta optimização. O Auslogics Disk Defrag permite iniciar o processo de desfragmentação e desliga o computador assim que terminar, se o desejarem. Se nunca desfragmentaram o vosso disco, este processo poderá demorar algum tempo na primeira vez.

Podem fazer download da aplicação através do FileHippo.

Manter o Windows 7 rápido

Estas aplicações não servem de muito se a vossa utilização do PC for descuidada. É necessário estarmos protegidos contra spyware (um bom browser ajuda), manter o PC actualizado com o Windows Update e instalar aplicações de forma consciente.

Carregar só no Next/Seguinte sem ler o que estamos a instalar leva a termos várias barras no Internet Explorer, aplicações a iniciar com o Windows e acabamos por ter um computador lento.

Todos os meses no Steam existe um levantamento do hardware e software utilizado pelos jogadores para ajudar os game developers a desenvolver novos jogos baseados nas configurações mais comuns e perceber as tendências do mercado.

Neste último mês o número de jogadores com Windows 7 ultrapassou o Windows XP.

Steam

É também interessante que o Windows 7 64-bit tem uma percentagem de utilizadores bastante superior ao Windows 7 32-bit e a tendência do Windows XP é de uma queda de 0.8% por mês, equivalente à subida de sistemas com Windows 7, mostrando que muitos utilizadores saltaram directamente do XP para o 7.

A nível de hardware a Intel e a Nvidia continuam a dar cartas à AMD e ATI em termos de percentagem de utilizadores.

Existem várias aplicações gratuítas que são superiores a versões pagas de outro software concorrente. Existe também o reverso da medalha e nem sempre o que é grátis é bom.

Um bom ponto de partida para obter aplicações grátis e de confiança é o site FileHippo onde é possível encontrar aplicações gratuitas de qualidade.

Windows 7 à venda

Esta é para mim a lista essencial de software gratuito a instalar em qualquer máquina para manter o Windows optimizado e seguro durante muito tempo.

Revo Uninstaller
O Revo Uninstaller é provavelmente o programa que mais lixo remove de um sistema Windows. Existem aplicações que, após desinstalar, deixam sempre lixo para trás, sejam ficheiros ou entradas no registo. Este programa acaba de vez com esse problema. Ao desinstalar analisa o programa e remove os ficheiros que ficam para trás assim como as entradas no registo do Windows.

A longo prazo nota-se bem que o computador não perde desempenho, por isso é o primeiro desta lista.

Descobri esta aplicação através do Peopleware e é também a única aqui listada que não está disponível no FileHippo, mas sim no site da Revo.

Avast! Free Antivirus
Tanto em Antivirus como numa Firewall o que procuro é um elevado nível de protecção, possibilidade de configuração e ser leve. O Avast! é um desses programas, e se o interface gráfico era pobre com a versão 5 tudo mudou. Este é o Antivirus gratuito de eleição.

CCleaner
De nome CrapCleaner, este programa remove ficheiros antigos e temporários que não são eliminados do disco. Além da limpeza típica ao sistema operativo também efectua um scan em algumas aplicações instaladas como browsers e outras utilidades.

Permite ainda fazer um scan ao registo do Windows e eliminar as entradas que não são usadas ou estão inválidas.

Spybot Search & Destroy
Desde que instalei o Opera que acabaram os meus problemas com spyware, no entanto continuo a usar o Spybot. A sua ferramenta de imunização do sistema bloqueia alguns sites e aplicações conhecidas directamente nos hosts do Windows assim como bloqueia algumas extensões perigosas no Firefox e no Internet Explorer.

Auslogics Disk Defrag
O meu desfragmentador de eleição até pouco tempo era o JKDefrag (que passou a MyDefrag), no entanto o Auslogics Disk Defrag veio para ficar. O interface é intuitivo, permite algumas configurações avançadas de forma simples e de acordo com alguns testes efectuados os resultados são superiores ao MyDefrag.

Permite ainda desfragmentar dois discos ao mesmo tempo utilizando mais recursos do processador, ideal para optimizar os discos durante a hora de almoço.

Foxit Reader
Porquê usar um leitor de PDF’s diferente se o da Adobe é gratuito? Simples, o Foxit Reader é rápido, leve e ocupa pouco espaço no disco.

7-Zip
O 7-Zip pretende ser um substituto do Winrar e do Winzip, permite bons níveis de compressão e permite a criação de arquivos em Gzip, ideal para o desenvolvimento web.

O Winrar continua a ser uma alternativa superior, no entanto é shareware, e para o utilizador comum o 7-Zip faz o que os outros fazem com um interface simples e de forma gratuita.

Finalmente a Microsoft acertou e conseguiu lançar um substituto para o Windows XP e compensar pelo erro que foi lançar o Vista tão prematuramente.

Este novo sistema operativo está tão bom que me convenceu em poucas horas a começar a fazer as malas e dizer adeus ao XP no meu desktop.

Windows 7

O Vista, o Aero e os problemas de som
O Vista quando saiu deixou-me boquiaberto com todos os efeitos do Aero, mas verdade seja dita que a funcionalidade do Aero não era muita. Tinha bom aspecto, é certo, mas comparando com o XP não tinha nada que me fizesse mudar, bem pelo contrário. O XP simplesmente era good enough, e se um programa funciona e é leve, nada me faz mudar para um programa igual mas que usa mais recursos.

Mas o meu maior problema nem estava aí, sou audiófilo por natureza, e quando o Vista saiu existiam vários problemas de drivers, incluindo os da Creative Audigy 2 pois não possuíam EAX nem o respectivo equalizador. Tentei uns drivers que supostamente colocavam toda a qualidade de volta no Vista, mas após várias tentativas de equalização desisti. O som não tinha brilho e o grave parecia que tinha fugido para a partição do XP.

Ora, se faço tudo o que faço no XP e neste consigo ter som com qualidade porquê mudar para o Vista? Foi o novo ME mas com um aspecto decente.

Windows 7, o Service Pack 2 do Vista
Todos sabemos que o Windows 7 é o Windows Vista melhorado, todas as coisas irritantes que não funcionavam no Vista foram substituídas, o desempenho está melhor e o sistema mais estável, mas “por baixo do capot” continuam várias peças do Vista.

Aliás, basta entrar na consola de recuperação para verificar que a barra de carregamento é a mesma do Vista, como muitos screenshots por essa net foram mostraram nos primeiros Release Candidates.

O novo Aero e a nova Taskbar no Windows 7
Existem funcionalidades em certos programas que tornam a minha vida profissional mais fácil. Ora, no Windows 7 essas funcionalidades são a nova Taskbar e o Aero.

A Taskbar é fantástica, limita-se a mostrar os ícones de cada aplicação permitindo mais aplicações abertas ao mesmo tempo sem confusão. Permite-me ainda ordenar cada programa à minha maneira, algo que sempre quis fazer. Juntando a isso o facto de com o Aero poder visualizar o conteúdo de cada janela/tab aberta naquele programa faz com que saltar de aplicação em aplicação não seja uma tarefa de trial and error como antigamente.

Depois o Aero Snap, poder trabalhar com dois programas abertos lado a lado de forma fácil é um must have. É certo que sempre o pude fazer noutros sistemas operativos, mas nunca de uma forma tão simples, basta clicar e arrastar para o lado!

O Aero também tem outras coisas engraçadas como abanar a janela e minimizar as restantes, mas isso é algo que para mim já não terá grande utilidade.

Consumo de energia do Windows
Como me preocupo com o consumo energético dos equipamentos aproveitei a informação do Zalman ZM-MFC2 e fiz alguns testes de uso de electricidade nos vários Windows em Idle.

Consumo de energia do WindowsO gráfico pode parecer preciosista pois as diferenças são de 1w a 2w em Idle, mas servem para mostrar que existem realmente diferenças.

Curiosamente o Vista mostrou diferenças com ou sem o Aero ligado, já no 7 não existiu qualquer oscilação no consumo.

O meu espanto foi com o 7 com o Aero ligado e o EPU-6 configurado onde conseguiu um consumo de energia inferior ao XP.

Windows 7 é uma lufada de ar fresco
O Windows 7 saiu tão apelativo que rapidamente o número de utilizadores online a correr o 7 superou o número de utilizadores em conjunto a utilizar qualquer versão do Mac e a sua aceitação está a ser bastante superior que o Vista, não só por consumidores particulares mas também por empresas. Até no meu local de trabalho já existem máquinas com Windows 7, quando todas corriam o XP.

Eu cá vou aproveitar para migrar do XP para o 7 no meu desktop.

Actualização a 31/01/2010:
Verifiquei que me enganei ao configurar o EPU-6 e coloquei uma redução de velocidade de apenas 3% quando no XP esta redução se encontrava a 10%. Após alteração o consumo passou para 113w em idle, menos 2w que o valor que tinha indicado anteriormente.

E que agradável surpresa, o Windows Media Player no 7 trás uma das melhores músicas do Mr. Scruff

 
Copyright © 1985 - 2017 Eduardo Maio. Alguns direitos reservados.
eduardomaio.net - Às vezes mais valia ser Agricultor do que Programador
Ao navegar no blog eduardomaio.net está a concordar com os termos legais e de privacidade.