Como passei de anti-blogs a blogger

Nunca fui grande fã de blogs e ainda hoje tenho as minhas reservas em relação a estes. Se à 5 anos atrás me perguntassem o que eu achava dos blogs provavelmente respondia que era uma maneira de algumas pessoas tentarem captar atenção de outras com textos copiados e letras de músicas dedicadas ao zé da esquina. Contavam-se pelos dedos das mãos os blogs onde realmente se poderia absorver conteúdo interessante e ler opiniões fundamentadas e com uma escrita cuidada.

Blogging

Hoje a minha opinião continua quase igual, os blogs de interesse são poucos, existe muito hype injustificado em torno de alguns snobs da “blogosfera”, termo que usam e eu detesto, e praticamente qualquer site passou a ser um blog. O que me irrita mesmo é quando chamam de blog ao Mais Gasolina e chegaram-me a dizer recentemente que pensavam que a base do Mais Gasolina era o WordPress. :x

Actualmente um blog é mais uma plataforma avançada de fazer sites para quem não percebe nada de HTML e já não se quer dar ao trabalho de usar um editor WYSIWYG. Agora que penso nisso, a culpa disto foi o Front Page ter sido substituído pelo Expression Web :lol:

Em 2005 criei o meu primeiro blog, o Gosto mais de Carros do que Chocolates, como forma de ter um local onde pudesse dar a minha opinião pessoal sobre alguns temas do mundo automóvel, algo que não poderia fazer na Sprint Total por ser um site de carácter informativo e mais cuidado na entrega de informação. O seguinte foi o blog do Mais Gasolina onde se pretendia apenas dar algumas novidades no desenvolvimento do site e dicas na utilização do mesmo.

Ainda criei o Silent Life Project que acabei por desactivar recentemente, optando por colocar o conteúdo aqui neste blog. É a redução de custos no seu melhor. ;)

Entretanto veio o Twitter e os blogs começaram a passar de moda, até o João Silas o confirmou. No entanto só criei mais um blog digno desse nome e foi este que estão a ler. Usei sim o WordPress como um CMS noutros sites onde o conteúdo disposto por ordem cronológica fazia sentido, como no site do meu 406 Coupé para a secção do Diário de Bordo e existem outros projectos pessoais que tenho a correr sobre WordPress por ter dado menos trabalho a adaptar do que a programar algo de raiz.

Continuo a achar que um site bem estruturado é superior a um blog onde o conteúdo por vezes fica perdido, e que os blogs vieram trazer muito lixo para a Internet. Mas claro que percebo a importância de alguns blogs na net e como estes podem ser um veículo de transporte de informação de forma de livre expressão, pessoal e mais descontraída.

 
Copyright © 1985 - 2017 Eduardo Maio. Alguns direitos reservados.
eduardomaio.net - Às vezes mais valia ser Agricultor do que Programador
Ao navegar no blog eduardomaio.net está a concordar com os termos legais e de privacidade.