Guia de optimização do WordPress: Sistemas de Cache

Continuando a série do guia de optimização do WordPress, irei agora falar um pouco sobre os sistemas de caching. Um sistema de cache guarda uma cópia de uma página que normalmente é processada em tempo real pelo servidor antes de ser enviada para o utilizador tornando o acesso muito mais rápido ao blog e poupando recursos no servidor.

Wordpress

Existem vários plugins de cache para o WordPress, os 3 mais usados são o WP Super Cache, o Hyper Cache e o WP-Cache, mas este último já não é actualizado desde 2007.

Testei os 3 plugins quer localmente quer num servidor de produção com benchmarks e análise de tráfego real e o que obteve resultados mais satisfatórios a longo prazo foi o Hyper Cache e é nele que me vou basear para este guia.

A grande vantagem do Hyper Cache sobre o WP Super Cache é a possibilidade de desactivar o chamado “garbage clean” ou “autoclean” e definir um tempo de vida do cache ilimitado, assim apenas quando publicamos um novo post ou aceitamos um comentário é que algumas páginas em cache são eliminadas, ao contrário do WP Super Cache que possuia um processo que corria a cada 10 minutos para verificar se existiam páginas em cache expiradas e fazia a sua eliminação.

Atenção! Antes de efectuar qualquer destas alterações é altamente aconselhável efectuar um backup para poder ser reposto caso ocorra algum erro.

 

Hyper Cache

Após instalar o plugin Hyper Cache necessitamos de alterar o ficheiro wp-config.php que se encontra na raiz do nosso blog e adicionar a seguinte linha de código:

1
define('WP_CACHE', true);

Agora podemos activar o plugin e passar à sua configuração. Pessoalmente, e baseado nos testes que efectuei, passo a explicar a configuração mais eficaz

Opções seleccionadas
As opções a activar são Enable compression, Disk space usage e Redirect caching.

A opção Enable compression e Disk space usage são sempre activadas em conjunto, o que isto faz é comprimir a página em disco e serve a página directamente já comprimida. Isto não só poupa recursos no servidor como reduz o tamanho da página entre 60% a 70% e torna o acesso muito mais rápido. Esta opção no entanto não funciona quando temos login efectuado, portanto o método mais eficaz de verificar as diferenças de velocidade no acesso é fazer logout ou usar um browser alternativo.

A opção Redirect caching guarda em cache os redireccionamentos que o WordPress faz para as páginas que não existem, dando o erro HTTP 404.

Dados de configuração
Em Cached pages timeout e Cache autoclean indicamos o valor 0 (zero). Tal como expliquei anteriormente, as páginas assim ficam em cache até serem modificadas, poupando recursos no servidor sem qualquer alteração na experiência do utilizador.

Em Cache invalidation mode escolhemos a opção Only modified posts, seleccionando a opção em baixo Invalidate home, archives, categories on single post invalidation. Com estas opções ao colocarmos um novo post, editarmos um post existente ou um comentário a cache desse post, assim como a cache dos arquivos, categoria e homepage serão eliminados e recriados novamente com os dados actualizados.

 

E agora que o plugin está devidamente configurado podemos relaxar e observar os óptimos resultados, tudo o resto será efectuado automaticamente. Reparem apenas que a cache de um blog é feita consoante os acessos efectuados ao site e este não é colocado totalmente em cache de imediato. Podem verificar este comportamento acedendo através de um browser alternativo a várias páginas e verificando o contador de páginas em cache do Hyper Cache.

 
Copyright © 1985 - 2017 Eduardo Maio. Alguns direitos reservados.
eduardomaio.net - Às vezes mais valia ser Agricultor do que Programador
Ao navegar no blog eduardomaio.net está a concordar com os termos legais e de privacidade.