Monitores Widescreen e o fim do 4:3

A internet é vertical, é como se fosse uma folha A4. Quando visitamos um site e o conteúdo é superior que o espaço disponível no ecrã, o site vai esticar para baixo, efectuando scroll vertical.

Verificando as últimas estatísticas o número de utilizadores com monitores widescreen está a crescer rapidamente, mas porquê?

Monitor LG Widescreen

Ao principio pensei, passaram todos a ver filmes no computador, afinal de contas o que não falta por aí em sites de pirataria são rips de filmes em alta-definição. Mas se alguém não paga por um filme, não faz sentido pagar por um monitor melhor.

A ideia seguinte que me veio à cabeça foi “moda”, está na moda ter o LCD do tamanho da parede na sala, portanto aplicava-se o mesmo aos monitores de computador. Afinal de contas, ainda no Natal de 2008 sempre que parava nos semáforos em frente ao centro comercial Vasco da Gama via um ou dois carrinhos com um LCD enorme lá dentro.

Entretanto apareceram os monitores LED e lá fui ao site da LG ver que tipo de monitores existiam e o seu consumo energético. Curioso, ou posso optar por um 16:9 ou por um 16:10. Para mim que sou developer até dá jeito, principalmente quando estou a trabalhar com layouts e preciso de espaço lateral, que a resolução que uso de 1280×1024 não tem, mas para o utilizador comum que só navega na net e vê emails não será que um 4:3 se adequa mais?

Decidi consultar então toda a gama de LCD’s à procura de um ecrã 4:3 e apenas encontrei 16:9 ou 16:10. Curioso continuei a pesquisar e a Philips anda agora a defender o formato 21:9 a que chama de Ultra-Widescreen.

Até os netbooks, que como o nome indica servem principalmente para navegar na net, vêm com resoluções 16:9.

A internet vai continuar num formato vertical, é certo, mas será que as resoluções 1024×768 daqui a um ano vão passar à história, tal como aconteceu com 800×600, e vamos passar a ter um mínimo aceitável de 1280×800? Mas no meio disto tudo uma coisa é certa, uma imagem é bem mais apelativa em 16:9 do que em 4:3 ;)

 
Copyright © 1985 - 2017 Eduardo Maio. Alguns direitos reservados.
eduardomaio.net - Às vezes mais valia ser Agricultor do que Programador
Ao navegar no blog eduardomaio.net está a concordar com os termos legais e de privacidade.