Nexus One e Froyo – A minha experiência

Passados 15 dias de usar o Froyo no Nexus One decidi partilhar aqui a minha experiência não só do telemóvel desde que o adquiri mas também deste upgrade ao Android.

Google Nexus One

Já tinha escrito anteriormente sobre os updates para o Froyo e sobre a sua demora para os telemóveis com ROMs europeias (aka Vodafone). Esperei uma semana, decidi desbloquear o bootloader e colocar a ROM disponibilizada do outro lado do atlântico e não podia estar mais contente. Ainda não saiu a actualização do Froyo para quem tem uma ROM europeia.

O Nexus One como telemóvel
O Nexus One como telemóvel deixa-me bastante satisfeito, a integração dos contactos com o Google Contacts e as aplicações do GMail e GTalk são um must-have para mim.

A qualidade das chamadas é fantástica. Comparado com outros telemóveis, em alta-voz a qualidade é muito superior graças aos dois microfones para cancelar ruído.

Os pontos fortes do Froyo
A actualização para o Froyo tornou o telemóvel muito mais rápido. Tudo responde de forma instantânea e ao navegar na Internet é onde se nota a maior diferença. As páginas carregam quase instantaneamente e a possibilidade de aceder a sites em Flash é fantástica. E a performance é excelente, ao aceder a um site pesado como o 2 Advanced as animações são fluídas e o som não tem soluços.

Agradou-me também bastante o widget News and Weather que foi actualizado para abrir os links das noticias directamente no browser e não na aplicação em si, permitindo-me visualizar estas no browser incluído ou no Opera Mini.

A nível de autonomia passei a conseguir 3 dias de autonomia com uma utilização razoável com Wi-Fi, 3G, sincronização de dados activa, chamadas, sms e navegação na internet. O meu LG aguentava uma semana ligado, mas também o seu processador era de 400MHz e não de 1GHz e não o utilizava de forma tão intensiva porque era um telemóvel limitado.

Os pontos fracos do Froyo
É verdade, nem tudo é positivo. Em todos os telemóveis que tive os botões do volume permitiam passar de Silêncio > Vibrar > Som, até com o Android 2.1 isso acontecia. Esta opção foi removida no Froyo e agora ou passamos de Silêncio > Som ou Vibrar > Som. Segundo o suporte do Google, alguns utilizadores ficavam confusos com a utilização desta funcionalidade.

Este é um problema do Android, ser feito nos Estados Unidos, mas já lá chegarei!

O hype do Tethering
O problema deste sistema operativo ser baseado nos Estados Unidos é o hype, muito típico da Apple, em apresentar funcionalidades que existem à anos em telemóveis asiáticos ou europeus. O meu Samsung através de infravermelhos (não existia Bluetooth ainda) funcionava como um modem, e eu cheguei a usá-lo. Os Nokia com um cabo especifico também funcionavam como modem e garantiam acesso à internet. E o Windows Mobile fazia a mesma coisa, por cabo ou por Bluetooth através do ActiveSync. Sendo um sistema operativo concorrente, não se percebe porque tal funcionalidade ficou por implementar.

A novidade do Froyo é mesmo a criação de hotspots para aceder à internet que me permite partilhar a ligação por mais que um aparelho, e não sei se não existirá nenhum Nokia que não fizesse isto.

Em conclusão
Estou bastante satisfeito com o Android 2.2 e com o Nexus One. Já experimentei vários telemóveis e as animações adicionais como o Sense ou o Motoblur, embora engraçados, interferem bastante no que é o Android. Com o Nexus One temos acesso ao que o Google considera um telemóvel high-end em que outros aparelhos se devem basear e, claro, temos acesso à experiência pura, vanilla, do sistema operativo Android

Foi anunciado no blog do Nexus One que chegou o último carregamento de aparelhos ao Google. Assim que estes forem vendidos através da loja online, o Google irá cessar a sua comercialização. Serão disponibilizados para os developers alguns aparelhos através do programa Android Market Publisher.

O Nexus One continuará a ser comercializado pela Vodafone na Europa e pela KT na Coreia, no entanto existem dúvidas sobre a continuidade da venda do Nexus One através da T-Mobile e AT&T.

 
Copyright © 1985 - 2017 Eduardo Maio. Alguns direitos reservados.
eduardomaio.net - Às vezes mais valia ser Agricultor do que Programador
Ao navegar no blog eduardomaio.net está a concordar com os termos legais e de privacidade.